COTIDIANO

SP: apenas serviços essenciais funcionarão no Natal e no Réveillon

Publicado em 23/12/2020 às 12h 

Por R7

Medidas restritivas valerão entre 25 a 27 de dezembro e de 1 a 3 de janeiro em todo o estado.

Todo o Estado de São Paulo adotará medidas restritivas, regredindo à fase vermelha, entre os dias 25 e 27 de dezembro e 1 e 3 de janeiro, de acordo com anúncio realizado pela secretária de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen, na tarde desta terça-feira (22) em coletiva do Centro de Contingência do Coronavírus. Apenas serviços essenciais poderão funcionar. “Nosso objetivo é conter festas e aglomerações”, afirmou a secretária.

Nestes seis dias, será proibido atendimento presencial em shoppings, lojas, concessionárias, escritórios, bares, restaurantes, academias, salões de beleza e estabelecimentos de eventos culturais. Farmácias, mercados, padarias, postos de combustíveis, lavanderias e serviços de hotelaria estão liberados.

Nos outros dias, todo o estado continua na fase amarela.

Fase verde descartada

Outra medida anunciada é que em janeiro, nenhuma região do estado será classificada na fase verde. O secretário estadual de saúde, Jean Gorinchteyn, afirmou que a maior parte do tempo o estado ficou na fase verde, “tendo a falsa impressão que o verde significava a liberdade, muitos saíram e esqueceram das restrições. Esqueceram que nós ainda estávamos em quarentena e não seguiram as regras sanitárias”.

A próxima reclassificação do Plano São Paulo, que regula a flexibilização no estado, prevista inicialmente par ao dia 4 de janeiro, foi adiada para o dia 7. O adiamento se deve ao calendário de reuniões marcadas entre o governo do estado e os novos prefeitos, que assume no dia 1º. Segundo o governo estadual, a iniciativa visa garantir que as medidas restritivas sejam cumpridas em parceria com os municípios.

Risco de colapso

O coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus, João Gabbardo, afirma que a medida será tomada para evitar risco de um colapso no atendimento. Segundo ele, há dificuldade de encontrar profissionais de saúde disponíveis, o que invialibilizaria, por exemplo, a montagem de novos hospitais de campanha.

Flexibilização

Entre março e junho, as restrições estaduais só aumentaram, até que houve o início de uma flexibilização. Em 21 de agosto, o Estado comemorou o fato de não ter nenhuma área no vermelho nos 645 municípios paulistas. Mas a partir de setembro houve nova mudança no quadro.

Casos e óbitos

A taxa estadual de ocupação de UTIs nesta terça-feira é de 61,9%,  com aumento para 67% na Grande São Paulo. São 4.775 internados na rede estadual em leitos de UTI e outros 6.215 em enfermarias. Os dados se referem tanto a casos suspeitos como pacientes confirmados com coronavírus.

O estado de São Paulo contabiliza 1,39 milhão de pessoas contaminadas desde o início da pandemia. Até agora, houve 45.395 mortes. No Brasil, os casos confirmados ultrapassam 7,26 milhões, com cerca de 187 mil mortes.

O que fazer e o que não fazer

O uso da máscara é fundamental, além do distanciamento entre as pessoas. “Evitar as aglomerações é imperioso”, afirmou o secretário de Saúde. “As pessoas se sentem em cenários sem o risco quando elas vão visitar alguem na casa de um amigo e de um parente. Sentam próximos, tiram a máscara pra comer beber e rir e isso cria a condição da transmissão do vírus, independente do número de pessoas”, alerta Gorinchteyn.

Apesar do período de festas, é importante evitar beijar e abraçar. Atenção aos mínimos sintomas também é recomendada. Quem apresentar sinais da doença deve ficar em casa e se observar. Caso não haja melhora, a orientação é fazer a testagem.

Gabbardo, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus, condenou as cenas vistas no aeroporto internacional de Guarulhos na segunda-feira, onde houve aglomeração nos corredores e filas de check-in. Ele criticou a organização do aeroporto e das empresas empresas aéreas.  “É inadmissível”, disse Gabbardo. Ele recomendou aos viajantes que avaliem se vale a pena correr o risco de viajar.

Turistas

Como o Estadão mostrou no último sábado, os municípios solicitaram ao governo estadual ajuda logística para impedir aglomerações e desencorajar turistas a fazer o “bate e volta” na virada. “A proposta das prefeituras é criar barreiras sanitárias nos acessos às cidades e o fechamento da orla dia 31”, afirmou Marco Vinholi, secretário de Desenvolvimento Regional do governo paulista.

É prevista a medição de temperatura dos visitantes na entrada da cidade, mas não a exigência de comprovante de imóvel na região ou teste de covid com resultado negativo.

Litoral

Cidades como Guarujá e Santos costumam receber centenas de milhares de turistas nesta época. Os prefeitos do litoral norte pediram ajuda ao governador para reforçar o atendimento no Hospital Geral de Caraguatatuba, que é referência na região. Em Ilhabela, foi montado hospital de campanha para receber pacientes sem covid e liberar leitos hospitalares.

 

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Sunbath
  • Run, run, run, the bullet is close to you (ou la tentative d'assassinat sur un coureur de jupons)
  • Le crêpier
  • La déesse de l'Abondance
  • Ufer
  • Bridge
  • Ballhaus
  • Training
  • Immediate ceasefire