ENTRETENIMENTO/ESPORTES VÍDEOS

Simples e despretensioso, ‘Homem-Formiga e a Vespa’ é um bálsamo da Marvel

Longa apresenta humor e ação frenética que poucos filmes de herói têm

Publicado às 8h

Folha de SP

Depois do recente terceiro filme dos Vingadores, com uma trama complicadíssima, quase 30 personagens e muitas referências pop que só fanáticos por HQ captaram, ver algo simples e tão bacana como  “Homem-Formiga e a Vespa”  um bálsamo.

Simples, no caso, é o enredo, um jorro de ação e humor que pode ser apreciado até por quem nunca leu um quadrinho dos heróis. Na área tecnológica, o filme é bem complexo.

Os dois protagonistas, Scott Lang (Paul Rudd) e Hope van Dyne (Evangeline Lilly), têm o poder de diminuir de tamanho, a partir de experiências científicas do pai dela, Hank Pym (Michael Douglas). Com sutis diferenças.

Ela, a Vespa, tem asas para voar e consegue diminuir ou aumentar o tamanho de objetos. Isso rende cenas engraçadas como a heroína arremessar um saleiro no bandido e torná-lo enorme no meio do trajeto, para nocautear o sujeito com o vidrão.

Ele, o Homem-Formiga, precisa cavalgar moscas, que controla telepaticamente, para voar quando está diminuto. Em compensação, tem a capacidade de aumentar de tamanho, transformando-se num gigante da altura de um prédio.

A tecnologia dos estúdios Marvel permite que as reduções e crescimentos dos heróis ganhem um ritmo alucinante. Eles podem variar seus tamanhos a cada segundo, dependendo do que a luta exige. Daí uma ação frenética, como poucos filmes de super-herói conseguem.

Depois da boa estreia, há três anos, a segunda aventura do Homem-Formiga começa com Scott Lang em prisão domiciliar, devido aos danos causados ao patrimônio público numa missão com o Capitão América.

Ele vai levando a detenção na boa. Recebe visitas da filha pequena, que mora com a mãe e o padrasto, e toca uma empresa de vigilância com o sócio (interpretado pelo latino Michael Peña, em ótimo desempenho cômico).

Mas Scott vai acabar burlando a prisão para ajudar o dr. Pym e a Vespa no resgate da mãe dela, Janet (Michelle Pfeiffer), que era a Vespa original e está desaparecida há anos no universo quântico, uma dimensão microscópica.

Vilões em busca das invenções de Pym vão atrapalhar os heróis, mas o problema maior é uma misteriosa mulher que também está atrás do cientista. E ela tem superpoderes, para encarar a dupla de mocinhos.

Paul Rudd, famoso por comediazinhas românticas, achou o personagem de sua vida no uniforme do Homem-Formiga. Imprime charme a um tipo mais divertido do que heroico. Evangeline Lilly, muda nerd depois da série “Lost”, é bonitinha e funciona no humor.

Michael Douglas deita e rola como o ranzinza Hank Pym. Longe da aposentadoria, parece se divertir muito no set. Já assinou contrato para mais dois filmes com esse personagem (provavelmente um terceiro “Homem-Formiga” e o próximo “Vingadores”).

“Homem-Formiga e a Vespa”, em sua despretensão, é melhor do que o primeiro filme e disputa um lugarzinho no pódio dos melhores longas baseados em heróis dos gibis da Marvel. Um balde gigante de pipoca é recomendável.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Oscars
  • Aida
  • back duo
  • trio xxi
  • decisive
  • boyau
  • Jerusalem's chimera
  • Jorg
  • Ulli