REGIONAL

Perdizes: Em confraria, voluntário trabalha por banquete a morador de rua

Espaço nos fundos de igreja em Perdizes recebe 'festa comportada' toda semana

Publicado às 9h35

Folha de SP

De um lado da mesa, 12 voluntários da vizinhança se preparam para servir o banquete semanal nos fundos da Igreja de São Domingos, em Perdizes (zona oeste).

De outro, 72 moradores de rua e de albergues, em filas organizadas por ordem de chegada, oferecem os pratos diante dos fartos caldeirões de comida da melhor qualidade.

O ritual desta confraria da solidariedade se repete há 25 anos. No começo, era só um sopão, servido na porta da igreja, até que voluntários descobriram a quadra de esportes do convento dos dominicanos e pediram para ocupar o espaço, desde 2013 cuidado por Carlos Alberto Munhoz de Moura, 54, o frei Carlinhos.

Os trabalhos na cozinha começam às 9h. Às 14h, é aberto o portão lateral da igreja, por onde começam a chegar os primeiros comensais, usando suas melhores roupas, como se fossem a um restaurante.

Além da comida, a confraria oferece roupas e sapatos doados por moradores. Remédios, só com receita médica.

Em suas casas, as voluntárias contam com empregadas e cozinheiras, mas ali são elas que põem a mão na massa para preparar os acepipes, doados pelos paroquianos.

Às 15h, frei Carlinhos dá a senha e os convidados se colocam de pé: “Vamos rezar?” Ao término do Pai Nosso, todos são convidados a se servir.

Um dos primeiros na fila é Luciano Alves Bezerra, 53, que não abre mão de uma cachacinha antes das refeições. Paulistano, foi abandonado pelos pais ainda pequeno e levado para a casa da avó, que o criou.
Quando ela morreu, em 1984, começou sua vida de morador de rua. Chegou a trabalhar como ajudante de feirante e numa tecelagem, mas depois passou a viver de biscates. Mora hoje na rua Rio Claro, perto da av. Paulista. É freguês na confraria há 15 anos.

“Obviamente, o que mais gosto daqui é da comida, mas é bom também porque a gente fica à vontade”, afirma.

Sentada junto à saída da cozinha, apoiada numa bengala, Cármen Núbia Echalar, 84, uma das pioneiras deste voluntariado, ainda supervisiona os trabalhos, com a ajuda da filha Constância, 53, enfermeira, ambas bolivianas.

“Estamos precisando de mais voluntários para ajudar a servir, já estou ficando velhinha. Adoro isso, mas as pernas já não ajudam. Sou formada em voluntariado, nunca trabalhei em outro lugar.”

No cardápio do dia tem 13 kg de arroz, 7 kg de feijão, 8 kg de carne para almôndegas e picadinho, 10 kg de legumes para a sopa, além do saladão, preparado com verduras da horta do convento. A sobremesa é um creme de abacate.

De dez em dez, todos vão se servindo e, às 16h, tem o repeteco. Quem quiser pode levar o que sobrou sobre a mesa.

No comando da cozinha desde o início, Ivone Said Farah Franco, 87, é a mais animada. “Amo isso aqui. Já vim trabalhar até de braço quebrado. Venho com muito amor e prazer, gosto do que eu faço.”

Ivone é sempre a primeira a chegar ao trabalho e conta com um subchefe, José Roberto Magalhães, 55. “Eu trabalhei 30 anos como advogado e agora estou aqui, muito feliz”, diz, enquanto faz a salada.

Padeiro e confeiteiro, Ezequiel Dutra, 52, veio de Londrina (PR) e mora no albergue Boraceia. Portador de HIV, separado da mulher, pai de uma menina que mora com sua irmã, ficou sem emprego, mas não se queixa da vida.

“Pelo menos por um dia da semana a gente mata a fome e isso dá oportunidade para correr atrás e viver mais um dia. Obrigado pela atenção.”

Nael Tiago dos Santos, de Colorado (PR), volta para a mesa com tudo transbordando do prato. Pai solteiro de três filhos, já tinha almoçado, mas montou um pratão para levar e assim garantir o jantar.

Em volta, num clima de festa comportada, ninguém está mais feliz que Ricardo Alberto Honorato, 40, paulistano, sem família e sem emprego. “No momento”, diz ele, mora na calçada da esquina da rua Antônio Carlos com a rua Frei Caneca, na região central.

Vivendo na rua desde os 10 anos, diz que já emagreceu muito, mas está com 172 kg. Alcoólatra, seu maior problema é encontrar roupas que lhe sirvam e uma clínica de recuperação para se internar.

Pois na segunda-feira (25) ele conseguiu pelo menos a roupa, confeccionada pela voluntária Celina Monte Claro: um bermudão preto e verde, tamanho 68, bem bonito, e uma camiseta extra-extra G.

Só que surgiu um problema, logo resolvido pela assistente social Raquel Ribeiro Coutinho, 53, contratada pelo convento para cuidar dos convidados: antes, Ricardo precisava tomar um bom banho, algo que não fazia há tempos, para vestir a roupa nova.

Evangélica no convento católico, Raquel o convenceu a ir para o chuveiro, com a ajuda de frei Carlinhos. “Precisava ver a alegria dele”, vem comunicar Carlinhos a Raquel, tão feliz quanto o gigante que saiu do convento outro homem.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Campidoglio
  • MAXXI
  • Fasanen butterfly
  • Xiomara dedicating her book "Warten auf den Regenbogen" (teNeues, 2024)
  • Xiomara duo
  • Xiomara
  • History
  • Minotaure
  • Nerea