REGIONAL

Prefeitura vai devolver mais de R$ 5,2 mi de recursos para UPAs

Autorizações para devolução ao Ministério da Saúde foram publicadas

Publicado às 9h10

Jornal Agora

A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP), da gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB), vai devolver ao Ministério da Saúde recursos que deveriam ter sido utilizados na construção de ao menos 23 Unidades de Pronto Atendimento (UPA). O montante a ser devolvido pela Prefeitura supera os R$ 5,2 milhões.

As autorizações para as devoluções dos valores foram publicadas no Diário Oficial da Cidade de São Paulo na última terça-feira (16). A restituição destes recursos atende ao ofício de nº 1262/2019, de 20 de março de 2019, do Ministério da Saúde.

Os valores não utilizados de cada equipamento de saúde que deixou de ser construído variam de R$ 32.734,75 – o mais baixo – a R$ 265.590,57 – o mais alto, em ofício, e referente a pelo menos 11 UPAs.

A UPA funciona como um pronto-socorro para casos de menor gravidade. O objetivo é desafogar a lotação nos Prontos Socorros de hospitais.

De acordo com a portaria de nº 10, de 3 de janeiro de 2017, que redefiniu as diretrizes de modelo de financiamento das UPAs 24h, os municípios contemplados com os recursos precisam cumprir prazos específicos para execução e conclusão das obras.

Em caso de descumprimento dos prazos, o gestor é notificado, para que apresente justificativa para o atraso. Quando não é aceita, é elaborado relatório que é encaminhado ao Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus), a unidade do Ministério da Saúde competente para realizar atividade de auditoria sobre a aplicação dos recursos do SUS.

A devolução de recursos pode significar ao menos três tipos de prejuízos, no entender do médico sanitarista e professor da Unifesp Arthur Chioro. “O primeiro prejuízo é se o recurso já tiver sido utilizado e a obra foi paralisada. O segundo é a perda do recurso de custeio mensal do equipamento. E o terceiro é o da população que fica sem o serviço”, afirma.

Zona leste

A UPA Tito Lopes, construída ao lado do Hospital Tide Setúbal, em São Miguel Paulista (zona leste de SP) , com o objetivo de desafogá-lo, está pronta há cerca de três meses, mas permanece fechada.

O Agora esteve lá no início do mês e verificou que a unidade não oferece atendimento à população.
A entrega da UPA estava prevista para junho de 2018. Na ocasião, a Prefeitura de São Paulo, gestão de Bruno Covas (PSDB), informou que a previsão de entrega era para este semestre.

A reportagem ainda visitou outras três UPAs que estão em fase final de obras:  Julio Tupy, no Lajeado (zona leste), Pirituba e Perus, (ambas na zona norte).

A página na internet do Ministério do Planejamento informa que o município dispõe, no momento, de ao menos 13 UPAs, sendo que apenas uma consta como concluída, enquanto que outras 12 são apontadas como “em obra”. Em março do ano passado, o então prefeito João Doria (PSDB) inaugurou a UPA 24h Vera Cruz, em M’Boi Mirim, na zona sul da capital. (M

Resposta

A Prefeitura de São Paulo, sob gestão de Bruno Covas (PSBD), não respondeu quais as razões que motivaram a devolução da verba destinada à construção de ao menos 23 UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) para o Ministério da Saúde.

A administração municipal também não respondeu aos questionamentos da reportagem sobre qual a atual situação de cada uma das obras de UPAs na cidade.

Por meio de nota, informou apenas  que, “buscando mais eficiência, com menos custos, vai integrar à rede de Saúde as UPAs Tito Lopes, Júlio Tupy, Ermelino Matarazzo, Perus, Pirituba, Jova Rural e São Luiz Gonzaga até o final do ano”.

A nota ainda destaca que  “outras seis UPAS terão suas obras retomadas com recursos obtidos por esta gestão junto ao BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento)”.

O Ministério da Saúde, sob gestão do governo Jair Bolsonaro (PSL), informou que a maior parte dos recursos para construção e reforma de UPAs que serão devolvidos pela Prefeitura de São Paulo foi motivado pelo “não cumprimento do prazo de inserção da ordem de serviço (OIS)”.

O ministério enviou à reportagem uma tabela com a verba que será devolvida   em cada uma das obras.
Em alguns casos, segundo documento do ministério, a devolução da verba foi feita  a pedido do próprio gestor, ou seja, da prefeitura.

Somente uma das obras teve a verba devolvida por “parecer não favorável”. O Ministério da Saúde não detalhou o que não foi aprovado no projeto.

Segundo o Ministério, o valor das devoluções ainda será acrescido de correção, dependendo da data de devolução.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Campidoglio
  • MAXXI
  • Fasanen butterfly
  • Xiomara dedicating her book "Warten auf den Regenbogen" (teNeues, 2024)
  • Xiomara duo
  • Xiomara
  • History
  • Minotaure
  • Nerea