REGIONAL

Barra Funda ensaia nova guinada e já é chamada de ‘periferia do centro’

Com os aluguéis caros e a saturação de lugares como Pinheiros e a Vila Madalena, a cena cultural, rock n’ roll e ‘gourmet sem frescura’ está se deslocando para perto da linha férrea

Publicado às 9h30

Agência Estado

A Barra Funda, na zona oeste de São Paulo, é um bairro de raízes industriais e operárias que, a cada ano que passa, tem adicionado uma nova iguaria à marmita. Com os aluguéis caros e a saturação de lugares como Pinheiros e a Vila Madalena, a cena cultural, rock n’ roll e “gourmet sem frescura” está se deslocando para esse ponto da cidade, para perto da linha do trem e a poucos quilômetros do centro. “É a primeira periferia do centro”, diz um dos sócios do bar A Dama e os Vagabundos, Raul Fiuza.

Não é de hoje que a Barra Funda vem ensaiando uma guinada. Como lembra o professor de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie Valter Caldana, a região passa por um processo natural de reconversão. “A ocupação histórica industrial deixou muitos terrenos vazios. Além disso, trata-se de uma localização privilegiada, com uma estrutura subutilizada.”

Com tantos atrativos, em 2004, ainda na gestão Marta Suplicy, uma ação batizada de Bairro Novo realizou um concurso para revitalizar o bairro. O projeto vencedor imaginava um local de calçadas largas, arborizado, com prédios baixos e uma distribuição que lembrava Brasília. A ideia nunca saiu do papel – sendo abandonada nas gestões José Serra e Gilberto Kassab. Além disso, operações urbanas de revitalização do bairro são anunciadas quase anualmente. Mas pouco sai.

Movimentação do restaurante Komah, na Rua Conego Vicente Miguel Marino, Barra Funda. Foto: Daniel Teixera/Estadão

Ainda assim, mesmo à revelia do poder público, a Barra Funda está acontecendo. Desde 2013, o bairro é o quinto com mais lançamentos imobiliários (ficando atrás só de Itaquera, Pirituba, Campo Limpo e Butantã). A maioria desses empreendimentos é de custo consideravelmente mais baixo do que o do entorno, como em Perdizes (o preço médio do metro quadrado da Barra Funda é R$ 10.113; já em Perdizes, sai em média R$14.075).

São lançamentos populares, com valores de até R$ 200 mil”, explica Coriolano Lacerda, coordenador de inteligência do mercado do Grupo Zap. A consequência é atrair público mais jovem, de recém-casados ou de gente que compra seu primeiro imóvel. Ou seja, o bairro ganhou pulso e uma frequência de pessoas que querem descobrir e aproveitar a vida ao redor.

Lugares

Há aproximadamente três anos, o chef Paulo Shin inaugurou o restaurante coreano Komah. Hoje, o local já é referência na cidade e reconhecido com prêmios da mídia especializada. Não é difícil precisar chegar cedo ou encarar uma espera para experimentar os pratos de Shin. “Foi mais seguro financeiramente vir para cá. Era uma diferença que representava um ano e meio de fluxo de caixa vindo pra Barra Funda contra um mês de Pinheiros”, conta. “O Komah é fenômeno que não planejamos. Foi no boca a boca.”

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Inglorious
  • Campidoglio
  • MAXXI
  • Fasanen butterfly
  • Xiomara dedicating her book "Warten auf den Regenbogen" (teNeues, 2024)
  • Xiomara duo
  • Xiomara
  • History
  • Minotaure