COTIDIANO

2/3 dos paulistanos percebem situações de racismo e discriminação em shoppings

Estudo da Rede Nossa São Paulo avaliou se o preconceito e a discriminação contra a população negra se manteve ou aumentou em São Paulo nos últimos 10 anos

Publicado às 10h45

Agência Estado

Seis em cada 10 paulistanos percebem diferença no tratamento de brancos e negros em shoppings e estabelecimentos comerciais, como lojas, cinemas, restaurantes, bares, supermercados e farmácias. A percepção é mais acentuada entre os que se autodeclaram pretos ou pardos: para 75% deles, a diferença é notada.

Os dados são da pesquisa inédita “Viver em São Paulo: relações raciais na cidade”, divulgada pela Rede Nossa São Paulo nesta terça-feira, 13, no mês da Consciência Negra. O estudo avaliou se o preconceito e a discriminação contra a população negra se manteve ou aumentou em São Paulo nos últimos 10 anos.

“Temos um racismo que é absolutamente intrínseco à dinâmica da sociedade paulistana. Na média geral, aproximadamente sete em cada 10 paulistanos notam a diferença de tratamento em praticamente todas as situações hipotéticas trabalhadas na pesquisa. É muito alto”, afirma José Américo Sampaio, coordenador da Rede Nossa São Paulo.

Em 6 dos 8 locais avaliados, a diferença no tratamento de pessoas brancas e pessoas negras é percebida por pelo menos metade dos entrevistados. Para 66% dos paulistanos, shoppings e estabelecimentos comerciais são os locais onde essa diferença é mais notada. Em todos os locais analisados, a percepção de diferença no tratamento é mais acentuada entre os que autodeclaram pretos ou pardos.

A diferença no tratamento de pessoas brancas e negras é percebida no trabalho (62%), na rua em espaços públicos de convivência, como parques e praças (61%), na escola, na faculdade e em universidades (60%), no transporte público (60%), nos hospitais e postos de saúde (50%), no local onde mora (45%) e no ambiente familiar (25%).

Entre negros e pardos, a percepção aumenta em todos os locais avaliados. Na comparação com os brancos, a população negra identifica a diferença na forma de ser tratado principalmente em shoppings e estabelecimentos comerciais (75%).

No trabalho, em situações de seleção e promoção profissional, e ainda na escola, faculdade ou universidade, 70% dos negros percebem discriminação. Eles também notam diferença no transporte público (69%), na rua, em praças e parques (68%), nos hospitais e postos de saúde (60%), no local onde mora (54%) e no ambiente familiar (31%).

Shopping Higienópolis
Em setembro, o Shopping Pátio Higienópolis foi acusado de discriminação racial. Foto: Kathia Tamanaha/Estadão

“Não há uma concentração nessa diferença de tratamento em determinados espaços. A pesquisa mostra que há um padrão e esse padrão é o padrão do preconceito. O único lugar em que essa percepção cai é na família e na rua, que são ambientes mais próximos”, diz Américo.

Na última década, situações de preconceito e discriminação contra negros se manteve ou aumentou para 7 em cada 10 entrevistados.  Paulistanos das regiões central e sul da capital são os que mais consideram que o preconceito contra a população negra se manteve, enquanto os da região oeste avaliam que diminuiu.

Quem mais aponta o aumento do racismo é mulher, tem 16 a 24 anos e é mais pobre (classe C). Quem acha que diminuiu são mais ricos (pertencem à classe A) e têm 55 anos ou mais.

“Chama atenção que a percepção do racismo na diferença de tratamento é muito maior para os negros. A população paulistana percebe a discriminação racial. Ou seja, o racismo não passa despercebido. Mas a população negra percebe muito mais do que a população branca. A pesquisa revela que há uma distância entre as duas populações em relação a esse tema”, afirma Américo.

 

 

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Inglorious
  • Campidoglio
  • MAXXI
  • Fasanen butterfly
  • Xiomara dedicating her book "Warten auf den Regenbogen" (teNeues, 2024)
  • Xiomara duo
  • Xiomara
  • History
  • Minotaure