NOTÍCIAS EM DESTAQUE REGIONAL

Promessa para 2012, linha do metrô de SP completa 2 anos parada com lixo e imbróglio

Governo de São Paulo e concessionária travam disputa por término de contrato da linha 6-laranja

Publicado às 8h45

Folha de SP

Prometida para 2012, a linha de metrô que ligaria o extremo norte aocentro de São Paulo, com paradas em algumas universidades, completa dois anos de obras paralisadas. Não há nem prazo para a retomada.

O aniversário se dá diante de uma disputa judicial e da deterioração dos quarteirões que se tornaram canteiros de obras e atualmente acumulam lixo e usuários de droga.

Anunciada em 2008, a linha 6-laranja foi celebrada como a primeira PPP (Parceria Público Privada) no país a construir e administrar uma ligação de metrô —com um percurso entre Brasilândia e Liberdade e que foi apelidada de “linha das universidades”.

A expectativa do morador que leva duas horas de ônibus para fazer esse trajeto foi interrompida no rastro da operação Lava Jato. Empresas no eixo da PPP, como Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC Engenharia, viraram alvo de investigações. Sem financiamento, elasparalisaram as obras com apenas 15% de avanço.

O consórcio ainda tentou negociar a troca de sócios e convidou uma gigante estatal chinesa. Mas, no início deste ano, após avaliar o projeto, os chineses desistiram da linha, e as negociações para a retomada das obras fracassaram.

A linha 6-laranja já consumiu R$ 1,7 bilhão em obras civis (sendo 41% disso em recursos do governo estadual), além de R$ 984 milhões pagos a título de desapropriações.

governo Márcio França (PSB) estima que a situação deverá continuar a mesma pelo menos nos próximos três meses, até que consiga encerrar o contrato vigente com o consórcio construtor. Só depois disso o governo iniciará um novo processo de contratação de uma empresa para tocar o restante das obras.

Segundo o governo, um processo na Justiça iniciado pelas construtoras durante as discussões pelo fim do contrato atrasa todo esse trâmite.

Já as construtoras dizem que o atraso na obra se justifica pela demora do governo em realizar desapropriações e indenizações aos donos dos imóveis que foram demolidos ao longo do traçado da linha.

O consórcio argumenta ainda que esse processo na Justiça não tem nenhuma relação com o término do contrato para a construção da linha. Diz também que o governo estadual atrasa o término do contrato de maneira intencional e descabida, apenas para fazer com que o consórcio pague multas e assuma os custos pela manutenção dos antigos canteiros de obra. O governo refuta essa acusação.

Só em multas por atraso já teriam sido aplicados R$ 73 milhões (outros R$ 43 milhões deverão ser cobrados pelo governo de SP, fruto de seis autuações diferentes até aqui).

O consórcio diz ter gasto R$ 20 milhões apenas neste ano para cercar e cuidar dos antigos pontos de obra.

Neste custo está também a manutenção dos shields usados na obras (conhecidos popularmente como tatuzões). Os dois equipamentos que fariam a perfuração dos túneis do metrô foram produzidos na China especificamente para esta obra e estão desmontados à espera de alguma definição, após o fim do contrato.

Só os procedimentos de término desse contrato se arrastam desde março, ainda sob a gestão Geraldo Alckmin (PSDB), que deixou o governo em abril para disputar a eleição presidencial. A previsão inicial era que tudo estivesse acertado até junho.

Enquanto isso, os antigos canteiros das obras e as áreas com imóveis demolidos atraem usuários de droga, descarte irregular de lixo e pragas como ratos e baratas.

“É cada rato, barata, pombo e ladrão que sai desse terreno”, reclama o motorista de van escolar Elias Lima, 35, vizinho do que já deveria ser a estação Brasilândia do metrô.

Em 2016, operários e retroescavadeiras começaram a demolir casas e lojas, mas as obras travaram, e o que ficou para trás foi um amontoado de escombros, lixo e mato alto.

Os terrenos são cercados por tapumes que podem ser facilmente abertos. Após anos sob sol, chuva e depredações, os tapumes estão pichados, quebrados ou remendados com tábuas e portas.

O clima de abandono favorece o descarte irregular de lixo feito pela própria população. O lixo atinge a calçada e avança sobre o asfalto —toma uma faixa inteira da via. A concessionária diz que a limpeza pública é responsabilidade da prefeitura da cidade.

APOSENTADO TENTA PROVAR SER DONO DE IMÓVEL DESAPROPRIADO

Um dos antigos moradores das áreas usadas para a construção da estação Brasilândia é o aposentado Walter Giacon, 71. Desde a desapropriação, em 2015, quando deixou a casa em que morava desde 1954, ele vive de aluguel.

Coincidentemente, Giacon trabalhou como operário no primeiro trecho do metrô de São Paulo, na linha 1-azul, ainda na década de 1970. Como morava na distante Brasilândia, passou anos pleiteando entre políticos e executivos do metrô a construção de uma linha que conectasse o bairro ao centro da cidade.

Em 2012, depois de participar de seguidas audiências públicas, descobriu que a casa onde se casou e onde criou a família tinha sido um dos endereços escolhidos para abrigar a futura estação terminal da linha 6-laranja.

Walter tentou mostrar para o Metrô que, se os engenheiros deslocassem a estação em 200 metros, ela poderia ser construída num terreno vazio, minimizando o número de desapropriações.

O Metrô não aprovou a mudança da estação para o terreno vazio (que hoje abriga um supermercado atacadista), o que forçou a desapropriação de vários imóveis.

O Metrô disse que foram indenizados os donos de praticamente todos os imóveis desapropriados —a exceção é somente um proprietário cujo processo se arrasta ainda na Justiça.

O caso de seu Walter é um pouco mais complicado, pois, sem ter a escritura de seu imóvel, antes de tudo ele tenta provar na Justiça ser o dono da casa onde vive desde 1954.

Ao menos outro vizinho de Walter está na mesma situação: com um processo de usucapião tentando comprovar na Justiça ser dono de seu imóvel, para depois reclamar uma indenização.

Walter só não sabe dizer o que chegará antes: o direito reconhecido ou o primeiro trem circulando na linha 6-laranja.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Eva
  • Fall mantra
  • Outsights
  • sneaker
  • Intempérils!
  • Oscars
  • Aida
  • back duo
  • trio xxi