COTIDIANO

Doria planeja conceder Zona Azul à iniciativa privada por R$ 1 bilhão

Prefeitura visa modernização do serviço e desoneração dos cofres públicos

Publicado às 9h05

Folha de SP

A gestão João Doria (PSDB) vai lançar projeto de concessãodo serviço de estacionamento rotativo pago em São Paulo, conhecido como Zona Azul, visando o adiantamento de valores que podem passar de R$ 1 bilhão. Além disso, o projeto visa a desoneração dos cofres da prefeitura e a modernização do serviço.

O plano será lançado nesta terça-feira (20) por Doria em entrevista coletiva.

A concessão se integra ao plano de desestatização do prefeito, que passará à iniciativa privada a administração de parques, de mercados, do estádio do Pacaembu, do Bilhete Único, do Anhembi e do autódromo de Interlagos.

Nesta quarta (21), a Prefeitura de São Paulo vai lançar um Procedimento Preliminar de Manifestação de Interesse (PPMI), solicitando que as empresas interessadas enviem sugestões e estudos para o projeto de concessão.

A Estapar, empresa do setor de estacionamentos, já manifestou oficialmente seu interesse em participar do processo. A Indigo, outra gigante do setor, acompanha de perto, segundo a Folha apurou. As duas são as maiores empresas do setor em operação no Brasil.

Nos moldes projetados atualmente pela gestão Doria, o vencedor de um processo de licitação poderia explorar a venda de tíquetes de Zona Azul e ficaria encarregado de fazer a fiscalização de infrações. A aplicação de multas e o valor arrecadado com elas continuaria com a Prefeitura de São Paulo, bem como a definição dos valores mínimo e máximo a serem cobrados pelos tíquetes.

Atualmente, o serviço é superavitário. Em 2017, a prefeitura gastou R$ 21 milhões com fiscalização e teve R$ 89 milhões de receita. No ano anterior, quando o serviço ainda era à base de papel, arrecadou menos: R$ 55 milhões.

Ao adiantar recebíveis por cerca de 30 anos, prazo com o qual a prefeitura trabalha provisoriamente, seria possível passar de R$ 1 bilhão em arrecadação, que iria para o Fundo de Desestatização, cujos valores estão vinculados a investimentos em áreas definidas como prioritárias pela atual gestão: saúde, educação, mobilidade, segurança, habitação e assistência social.

Até o momento, a prefeitura já lançou editais de concessão do mercado de Santo Amaro e do primeiro lote de parques, que inclui o Ibirapuera. A concessão do Pacaembu e a privatização do Anhembi devem sair ainda no primeiro semestre, ao passo que a venda de Interlagos deve ficar para o segundo, assim como a concessão dos terminais de ônibus e do Bilhete Único.

Ao adiantamento de recebíveis devem, ainda, serem somados os valores de outorga e de tributos.
O fundo é composto dos valores arrecadados com todas as privatizações e concessões.

“Uma concessão desoneraria a prefeitura dos gastos com fiscalização; passaria os problemas de eventuais fraudes para terceiros; e o risco de baixas taxas de ocupação também. Os mais novos estão cada vez menos interessados em carros. O risco dessa queda ficará com eles”, diz Wilson Poit, secretário de Desestatização e Parcerias.

Poit acredita que até o final do ano será possível chegar ao acordo com alguma empresa interessada. O PPMI ficará aberto de 21 de março até 5 de maio.

“Seria possível modernizar os serviços e ainda ter recursos para investimentos em obras para melhorias da cidade. Eles poderão investir em tecnologia de fiscalização, aprimorar o aplicativo, permitir que o usuário renove o Zona Azul sem ter que voltar até o carro”, completa.

Atualmente, o sistema de Zona Azul da cidade tem 40.600 vagas, com expansão prevista para 50.200 ainda em 2018.

Na cidade, as vagas de Zona Azul se distribuem da seguinte forma: 29% na área central; 26% na zona oeste; 25% na zona leste; 17% na zona sul; e 3% na zona norte.

Dessa forma, as duas últimas aparecem como as mais promissoras para as empresas interessadas.

HISTÓRICO

Em 1996, o então prefeito Paulo Maluf (PP) enviou à Câmara Municipal um projeto de lei para privatização do sistema de Zona Azul.

O projeto foi aprovado pelos vereadores no final do ano seguinte, mas não chegou a ser colocado em prática.

A existência da lei pode ajudar a gestão Doria a colocar em prática o projeto de concessão, eximindo-a da necessidade de fazer o projeto passar pela aprovação da Câmara Municipal como tem sido feito com os demais projetos de desestatização.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Inglorious
  • Campidoglio
  • MAXXI
  • Fasanen butterfly
  • Xiomara dedicating her book "Warten auf den Regenbogen" (teNeues, 2024)
  • Xiomara duo
  • Xiomara
  • History
  • Minotaure