COTIDIANO

Governo federal cobra R$ 6 bilhões de empresas de ônibus de SP

Justiça vê também indícios de fraude; maior empresa do ramo alega erros da União

Publicado às 9h

Folha de SP

A Procuradoria da Fazenda Nacional, órgão vinculado ao Ministério da Economia, cobra dívidas de empresas de ônibus que atuam na cidade de São Paulo que somariam mais de R$ 6 bilhões em débitos tributários e previdenciários.

Os valores foram identificados por uma força-tarefa do órgão federal, que também dizem ter identificado uma tentativa das empresas do ramo de driblar a legislação para participar do processo de licitação que foi aberto pela Prefeitura paulistana. A Justiça Federal chegou a chamar a manobra de fraude.

A força-tarefa diz esperar que as próximas contratações desses grupos empresariais só ocorram depois do acerto das contas. Na prática, os procuradores federais buscam colocar em xeque a continuidade dessas empresas devedoras na licitação, enquanto não saldarem suas dívidas bilionárias.

Segundo informações do órgão, mais da metade da dívida pertence sozinha ao Grupo Ruas, cerca de R$ 3,1 bilhões, colocando-o como um dos maiores devedores da Previdência Social no país.

A Procuradoria diz que os débitos em aberto vêm desde a década de 1990, havendo sonegação e não recolhimento de impostos.

O conglomerado nega a cifra. Segundo a defesa do Grupo Ruas, o valor correto da dívida em tributos federais é de R$ 1, 8 bilhão, que a empresa pretende pagar diante de um parcelamento do valor e negociação com o governo federal.

Advogados dizem que a procuradoria somou equivocadamente mais de uma vez a dívida dos mesmos sócios, chegando a um valor global superior ao reconhecido pela empresa. Dizem ainda que, desde 2005, 5% do faturamento do Grupo é penhorado para o pagamento da dívida. A defesa espera que a continuidade de suas empresas nos contratos da Prefeitura de São Paulo sirva também de garantia para o pagamento da dívida.

O Grupo Ruas é um gigante do setor de transportes e dono de algumas das empresas de ônibus mais antigas em São Paulo.

Desde sua criação, o grupo expandiu suas atuações, é um dos donos da maior indústria de ônibus urbanos do país, a Caio, tem banco de investimentos e participa, com a CCR, da concessão das duas únicas linhas concedidas do Metrô de São Paulo.

Mesmo com a dívida bilionária, desde agosto de 2018, as empresas do grupo estão tentando na Justiça Federal a emissão de uma certidão de regularidade fiscal. Ter a certidão é um requisito para concorrer em licitações de contrato públicos, como a aberta pela Prefeitura de São Paulo para o serviço de ônibus na cidade.

Sem conseguir a emissão da certidão, as empresas de ônibus com débito fiscal, incluindo as do Grupo Ruas, começaram a abrir novas empresas, ou seja, subsidiárias que não têm restrições fiscais.

Para os procuradores, a ação é uma tentativa de driblar a legislação para continuar na disputa pela licitação em São Paulo. Eles agora pedem na Justiça que essas “novas” empresas sejam responsabilizadas pela dívida de suas controladoras.

Há uma semana, a Justiça Federal acolheu esse entendimento da União e disse que a criação de subsidiárias novas só para a participação em licitações aparenta fraude das empresas originárias. A decisão se referia a quatro empresas do Grupo Ruas. Reportagem do site Diário do Transporte verificou que o mesmo aconteceu em outras empresas do setor.

O grupo diz que a abertura das empresas subsidiárias foi feita às claras e dentro da lei, não havendo motivos para chamar a ação de fraude. “Não há fraude, não escondemos nada. Os atos são públicos, as pessoas são as mesmas, não existe laranja e o patrimônio é o mesmo”, diz o advogado do Grupo Ruas Márcio Cezar Janjacomo. A defesa recorre da decisão na Justiça.

Além de questionar o tamanho da dívida, o grupo empresarial diz também reclamar uma dívida que a prefeitura tem desde os anos 90, pelos serviços prestados antes da última licitação feita do sistema de ônibus na capital, em 2003. Segundo a empresa, a dívida da prefeitura chega a R$ 1 bilhão.

O processo de licitação de ônibus em São Paulo está suspenso desde a última quarta-feira (23), quando duas empresas de ônibus acionaram a Justiça reclamando das regras do edital que inviabilizariam a concorrência de novas empresas.

Um dos processos foi iniciado por Romero Niquini, ex-empresáro de ônibus em São Paulo. O outro pela empresa Costa Atlântica, que como a Folha revelou, se trata de uma empresa de fachada, com sede em uma barbearia na cidade de Itapetininga.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Oscars
  • Aida
  • back duo
  • trio xxi
  • decisive
  • boyau
  • Jerusalem's chimera
  • Jorg
  • Ulli