COTIDIANO

Serviço funerário é o pior da prefeitura, diz Bruno Covas

Em entrevista ao Agora, prefeito diz que suposta ruptura com Doria é fofoca

Publicado às 12h

Folha de SP

prefeito Bruno Covas (PSDB) afirmou em entrevista exclusiva ao jornal Agora (do mesmo grupo que edita a Folha) que considera os cemitérios municipais o pior serviço prestado pela prefeitura.
Para Covas, a solução é a concessão do Serviço Funerário Municipal. O prefeito também falou sobre falta de médicos nos postos de saúde, sua relação com o governador João Doria (PSDB) e expectativas para a gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

A prefeitura alterou regras do vale-transporte pelo Bilhete Único, reduzindo o número de viagens. A prefeitura afirma que os empresários têm de arcar com a tarifa a mais. Em meio à crise e desemprego, o trabalhador tem como pedir isso ao patrão? 

É uma obrigação prevista na legislação trabalhista. Não tem sentido a prefeitura continuar subsidiando uma obrigação do patrão. Essa conta não fecha. Eram R$ 412 milhões por ano para subsidiar uma obrigação das empresas. Acredito muito que elas vão ter consciência de que precisam respeitar a legislação.

O senhor anunciou que o Minhocão será transformado em parque em várias etapas. Já há uma data?

Não, ainda não tem uma data exatamente porque o estudo que a CET tinha era da desutilização de todo o Minhocão. Decidimos que apenas parte dele, que é a parte que começa na praça da República e vai até o largo Santa Cecília, vai ser transformado em parque. A CET está adaptando o estudo para esse primeiro trecho, para minimizar o impacto no trânsito. A ideia é inaugurar o primeiro trecho até o final de 2020.
Nossos leitores também se preocupam com a situação dos cemitérios da cidade. O Agora mostrou em várias reportagens a situação de abandono. Na minha avaliação, o Serviço Funerário é o pior serviço prestado pela Prefeitura de São Paulo. Espero que a Câmara possa nos autorizar a avançar na desestatização do Serviço Funerário. A prefeitura não dá conta de todos esses cemitérios. A reclamação é generalizada: classe A, B, C, D, E, em todos os cantos da cidade. Esse é um problema antigo, enraizado, que não tem como melhorar se o serviço continuar sendo prestado pelo poder público.

Outro problema é a falta de médicos. Como resolver?

Com fiscalização. Porque temos 13 mil médicos contratados pela prefeitura, seja pelas OSs ou concursados. Quando olhamos os números, parece que a saúde do município é excepcional, maravilhosa, mas, quando visitamos lá na ponta uma UBS, a reclamação é generalizada.

Em janeiro, o senhor disse que tinha esperança de o presidente, em quem declaradamente não votou, avançasse nas reformas. Qual a sua avaliação do governo?

O presidente apresentou a reforma da Previdência, o que já é uma melhora. A expectativa é que o Brasil cresça muito com a aprovação desta reforma. E estamos pagando aqui, na prefeitura, esse preço da exclusão. O desemprego, o aumento do número de pessoas morando na rua, de pessoas pedindo cesta básica, enfim, de pessoas buscando a rede pública. Com o Brasil voltando a crescer, os municípios são ajudados de forma indireta. Portanto, tenho expectativa e vou solicitar a todos os deputados com quem tenho contato que votem a favor da reforma.

O senhor acha que esse seu posicionamento, de não ter votado no Bolsonaro e outras questões, o afastou de Doria?

Não, acho que não. Ele respeita minhas posições como respeito as dele.

Mas são opostas sob vários aspectos?

Acho que, no principal, somos a favor: a questão da desestatização, os investimentos na área social…

Como o senhor classifica sua relação com Doria hoje? 

Excelente.

E essas informações que foram veiculadas de uma ruptura entre vocês? 

Se pegarmos os jornais de 1980 para cá, sempre vai ter esse tipo de fofoca. Não tem nenhum problema.

É fofoca? 

Total.

O senhor ficou no centro de uma polêmica por causa da viagem quando um temporal atingiu a capital Esses afastamentos foram necessários? 

Qualquer trabalhador tem um mês de férias por ano. Prefeito não tem. Então, sempre que precisa descansar um, dois, três dias, precisa tirar licença não-remunerada. Fazemos tudo às claras aqui. Não chega nem a um mês por ano. No período de prefeito, 15 dias. O que não tinha como era adivinhar essa quantidade imensa de chuvas. Choveu em dezembro, choveu em janeiro, choveu em fevereiro e as nossas equipes deram resposta.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Eva
  • Fall mantra
  • Outsights
  • sneaker
  • Intempérils!
  • Oscars
  • Aida
  • back duo
  • trio xxi