REGIONAL

Grupo brasileiro assume 15% na concessão da Linha 6 do Metrô e governo de SP admite novo atraso nas obras

RuasInvest terá 15% de participação; outros 85% da concessão vão ficar com empresas asiáticas. Obras estão paradas desde setembro e só devem ser retomadas em março ou abril

Publicado às 11h55

G1 São Paulo

A obra da Linha 6-Laranja do Metrô está parada desde setembro do ano passado, e só deverá ser retomada em março ou abril, segundo informou o secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Clodoaldo Pelissioni. A previsão inicial era que as obras voltassem este mês tocada por um

O consórcio asiático, mas uma empresa brasileira também vai participar da concessão e com isso o prazo de retomada será estendido.

A empresa RuasInvest Participações S.A. adquirirá até 15% do empreendimento e vai participar do consórcio ao lado das empresas China Railway Capital Co. Ltd. e China Railway First Group Ltd., que integram o grupo China Railway Engineering Corporation Ltd. (CREC), e terão participação de 50% na concessão, o grupo de investidores japoneses liderados pela Mitsui ficará com 35%. Antes, o grupo asiático (chineses e japoneses) ficaria com 100% da obra.

A Linha 6-Laranja é uma grande parceria público privada entre o governo de São Paulo e a iniciativa privada. Quando concluída, ela deverá ter 15 estações e 15,3 km de extensão. Ela deve transportar mais de 630 mil pessoas por dia entre a Brasilândia, na Zona Norte, e a estação São Joaquim, na região central. E fará integração com as linhas 1-Azul e 4-Amarela do Metrô, além da 7-Rubi e a 8-Diamante da CPTM.

As obras começaram em janeiro de 2015 e foram interrompidas em setembro do ano passado pelo consórcio Move São Paulo, formado por empresas que estão com o nome sujo, por causa da Operação Lava Jato, e não conseguem mais dinheiro para concluir o projeto. Em outubro de 2016, o governo estadual informou que recebeu da concessionária Move São Paulo a formalização da proposta de um grupo de empresas asiáticas para a aquisição de 100% da Linha 6-Laranja.

Custo do projeto é de R$ 10 bilhões. O governo do estado já investiu na linha 6-Laranja R$ 694 milhões para pagamento de obras civis e R$ 979 milhões para pagamento das desapropriações de 371 ações.

“As empresas que ganharam a licitação tiveram problemas junto ao BNDES por conta da Lava Jato. o que fizemos foi dar apoio junto ao BNDES, mostrar que o projeto é bom para atrair investidores internacionais”, disse Pelisisoni à GloboNews.

Veja a nota da Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos:

“A Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos (STM) informa que recebeu no último dia 12 um comunicado do consórcio de empresas asiáticas que formalizaram o interesse na aquisição da concessão da linha 6-Laranja de metrô de São Paulo informando que a empresa brasileira RUASInvest Participações S.A. adquirirá até 15% do empreendimento.

Desse modo, as empresas China Railway Capital Co. Ltd. e China Railway First Group Ltd., que integram o grupo China Railway Engineering Corporation Ltd. (CREC), terão participação de 50% na concessão, o grupo de investidores japoneses liderados pela Mitsui ficará com 35% e a RUASInvest, com até 15%.

O consórcio, que formalizou a proposta de compra junto à concessionária Move São Paulo em outubro de 2017, informou ainda que os trâmites internos necessários à efetivação da aquisição devem ser concluídos até a última semana deste mês, dentro, portanto, do prazo previsto. O contrato deve ser assinado ao fim desse período e a previsão é de que as obras possam ser retomadas ainda neste semestre.

A implantação da linha 6-Laranja teve início em janeiro de 2015 e, em 2 de setembro de 2016, por decisão unilateral, a Move São Paulo, atualmente única responsável pela implantação do trecho, informou a paralisação integral das obras civis, alegando dificuldades na obtenção de financiamento de longo prazo junto ao BNDES.

Neste período, a STM tomou todas as medidas legais cabíveis para que a Move São Paulo retomasse e concluísse as obras da linha 6, que ligará Brasilândia, na zona norte da capital, à estação São Joaquim, na região central. Até o momento a pasta já aplicou multas que somam R$ 27,8 milhões.

Nos termos do contrato de concessão, a concessionária é a única responsável pela obtenção dos financiamentos necessários ao desenvolvimento dos serviços delegados. Não há pendências do Governo do Estado junto à concessionária que impeçam a retomada das obras, cuja execução atingiu 15%.”

 

 

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Inglorious
  • Campidoglio
  • MAXXI
  • Fasanen butterfly
  • Xiomara dedicating her book "Warten auf den Regenbogen" (teNeues, 2024)
  • Xiomara duo
  • Xiomara
  • History
  • Minotaure