REGIONAL

Pichadores são condenados a mais de 30 anos de prisão por matar dentista e ferir pai na Vila Jaguara

Quatro acusados ainda devem ser julgados pelos crimes em SP. Os seis tinham pichado a casa das vítimas, que saíram na rua para tirar satisfação com o grupo

Publicado às 10h30

G1 São Paulo

Dois dos seis pichadores acusados de participar do assassinato de um dentista e da tentativa de matar o pai dele em 2016 foram condenados por homicídio e tentativa de homicídio nesta quinta-feira (28).

Após quase dez horas de julgamento no Fórum Criminal da Barra Funda, na Zona Oeste da capital paulista, o júri condenou Marivone Pereira da Silva a 32 anos de prisão por homicídio qualificado pela morte do dentista Welinton da Silva e pela tentativa de homicídio qualificado do pai, Manoel da Silva.

Segundo o juiz, Marivone estava muito abalada e, por isso, não tinha condições de ouvir a sentença.

O outro réu julgado nesta quinta, Anaílson Costa da Silva, está foragido. Ele foi condenado a 33 e 3 meses de prisão pelos crimes de homicídio, tentativa de homicídio, associação criminosa e pichação.

A defesa de Marivone e de Anailson entraram com recurso pedindo a anulação do julgamento. Os outros quatro acusados de participarem do crime já tinham entrado com recurso e só depois da resposta é que poderão ter os julgamentos marcados. Eles já tiveram a prisão preventiva decretada, três estão presos e um está foragido.

Além de Marivone, Adolfo Gabriel de Souza (vulgo THCD2), Adilson Nascimento dos Santos (Triton) e Lucas Rafael Siqueira Nunes (Abstracto-K) permanecem detidos até serem julgados.

Como Anaílson, Aluizio Denis Pires da Silva (Hordm ou Ordem) ainda não foi preso e é considerado foragido da Justiça.

O crime ocorreu no dia 6 de agosto de 2016, na Vila Jaguara. Os seis acusados haviam pichado o muro da casa das vítimas, que tinham ido tirar satisfações com o grupo.

Câmeras

As imagens das câmeras da vizinhança registraram o momento da pichação e quando pai e filho saem da residência. Foram elas que ajudaram a polícia a identificar os criminosos.

O dentista Wellinton foi morto após levar uma pedrada. Manoel foi agredido e, depois, por causa da gravidade dos ferimentos, teve o braço direito amputado.

Quando aceitou a denúncia da Promotoria contra os acusados, a Justiça ainda decretou a prisão preventiva dos seis pichadores, mas só quatro deles estão presos.

Defesa

Marivone, que se identificou como diarista, é namorada de Adilson, que já cumpriu pena por assassinato e é um dos quatro procurados.

A mulher alegou que o namorado e os demais pichadores a defenderam de Wellinton e Manuel, que estava com um facão. Ela não soube dizer quem jogou a pedra que acertou a cabeça do dentista e o matou.

Adolfo, dono do carro que levou os pichadores até a casa das vítimas, também foi preso após se entregar à polícia. Ele negou, porém, que tenha matado Wellinton.

Segundo parentes e amigos, Wellinton era calmo e avesso a discussões, mas quando saiu na calçada para proteger o pai, virou o alvo do grupo. Ele foi agredido com pauladas e pedradas e chegou a ser arrastado por uma escadaria. Acabou não resistindo aos ferimentos e morreu.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Inglorious
  • Campidoglio
  • MAXXI
  • Fasanen butterfly
  • Xiomara dedicating her book "Warten auf den Regenbogen" (teNeues, 2024)
  • Xiomara duo
  • Xiomara
  • History
  • Minotaure