NOTÍCIAS EM DESTAQUE REGIONAL

Revolta e incertezas marcam saída da Ceagesp da Vila Leopoldina até 2020

Comerciantes rejeitam decisão e reivindicam diálogo com o poder público

Publicado às 10h45

Por Cristina Braga

O governador João Doria (PSDB) anunciou na semana passada que a Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) deve ser transferida da Vila Leopoldina até 2020. Essa mudança, entretanto, não é novidade e já foi expressa por gestões anteriores. É também desejo antigo do atual governador, inclusive enquanto prefeito da capital. A ideia consiste em implantar no atual endereço do entreposto, com 740 mil metros quadrados, o SP CITI – o mais novo Centro Internacional de Tecnologia e Inovação de São Paulo.

Em rede social, Doria destacou que a nova central de abastecimento estará em uma área seis vezes maior. “Com isso, vamos ter mais permissionários, além de melhores condições físicas e operacionais”, disse o governador. Mas fez segredo sobre o futuro endereço. Segundo ele, o objetivo é levar o entreposto para perto de uma rodovia. Perus, Santana de Parnaíba e Barueri estão entre as localidades escolhidas para receber a nova Ceagesp, além do Nesp na Rodovia dos Bandeirantes com acesso pelo Rodoanel Oeste.

Permanência e reforma

Ao receberem a notícia, representantes de seis entidades protestaram contra a saída da Ceagesp, no último dia 29, com carro de som. Eles defendem a revitalização do local. Hilton Piquera, representante do Sincomat (Sindicato do Comércio Atacadista de Hortifrutigranjeiros e Pescados), é contra a atitude do governador. “Temos aqui cinco rodovias, marginal e acessibilidade. No rodoanel, só há uma saída, além de encarecer mais o produto final.”

O comerciante de hortaliças Valdemar Cavalcanti trabalha há 40 anos no entreposto e está inconformado com a mudança. “Se sair daqui, vou parar de trabalhar. Nem sabemos para onde vamos”, pontua. Assim como ele, muitos comerciantes reclamam de que não foram ouvidos por ninguém da esfera pública.

Representando o Sincomflores (Sindicato do Comércio Atacadista de Flores e Plantas), que congrega 1,2 mil permissionários, o advogado Paulo Murat também esteve na manifestação contra a saída do entreposto da Vila Leopoldina e sugeriu uma pequena paralisação como advertência para o governo. “O Estado deve R$ 95 milhões para a Ceagesp e não paga. Já quitou R$ 110 mi de uma dívida de R$ 200 mi. Com o dinheiro, daria para revitalizar este espaço”, assegura Murat.

Em meio à indecisão e às dúvidas dos comerciantes, são comercializados 10 milhões de quilos de hortifrútis
diariamente. A terceira maior central de abastecimento do Brasil paga (dividido entre o condomínio) mais de R$ 23 milhões em IPTU e precisa, de fato, de revitalização em seu espaço. Porém, a necessidade agora é de diálogo com a comunidade desta “cidade” por onde passam mais de 50 mil pessoas por dia.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Campidoglio
  • MAXXI
  • Fasanen butterfly
  • Xiomara dedicating her book "Warten auf den Regenbogen" (teNeues, 2024)
  • Xiomara duo
  • Xiomara
  • History
  • Minotaure
  • Nerea