EDUCAÇÃO

Governo quer aulas de inteligência emocional em universidades privadas

Projeto do Ministério da Família visa prevenir o suicídio; especialistas criticam simplificação do tema

Publicado às 9h20

Folha de SP

O governo Jair Bolsonaro (PSL) negocia uma parceria com universidades particulares para oferta de uma disciplina de “inteligência emocional” com o objetivo de tentar prevenir casos de suicídio e automutilação. A proposta é criticada por especialistas ouvidos pela Folha.

A discussão é feita entre o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos e a Anup (Associação de Universidades Particulares), entidade que abrange 189 instituições privadas —setor que concentra 75% dos estudantes de graduação.

Desde o início da gestão, a prevenção ao suicídio e automutilação foi alçado a prioridade pelo Ministério da Mulher. Em palestras, a ministra Damares Alves, que é pastora, disse que pensou em suicídio após ser vítima de um abuso sexual, mas desistiu ao ver, segundo ela, a imagem de Jesus.

O MEC (Ministério da Educação) é apenas parte do grupo que discute o tema.

A previsão é que a disciplina, com carga horária de 80 h, seja obrigatória para alguns cursos. A definição de quais, porém, caberia aos reitores.

O início da oferta seria a partir do segundo semestre deste ano. “Queremos em agosto já botar essa meninada para ver o que está acontecendo dentro da cabeça deles e como sobreviver nesse mundo tão complexo”, diz a presidente da Anup, Elizabeth Guedes.

O objetivo, diz, é ter estratégias para estimular alunos a lidarem com conflitos e frustrações e, com a isso, evitar casos de suicídio e automutilação.

Na última semana, o governo lançou uma campanha de prevenção ao suicídio. A pasta também pretende aumentar canais de atendimento a famílias e investir em coleta e monitoramento de dados.

Questionada, Elizabeth diz ainda não há definição de todos os assuntos que serão tratados na disciplina, mas que a ideia é que o estudante encontre conceitos “que ele conhece na vida mas que não estão nos currículos, como ansiedade, medo, felicidade”.

“Pensamos que fazer uma disciplina de inteligência emocional poderia ajudar os jovens a enfrentar a insegurança, a ser resiliente, a desenvolver pensamentos positivos, a ter empatia pelo próximo e aprender a conviver com a diferença”, afirma.

Segundo ela, a sugestão para que a disciplina seja implementada veio de Damares. Uma das principais interlocutoras do setor privado nos últimos anos, Elizabeth é irmã do atual ministro da Economia, Paulo Guedes.

A ideia é levar a medida também para universidades públicas, diz o diretor de Desafios Sociais no Âmbito Familiar da pasta, Marcel Edvar Simões.

A Base Nacional Comum Curricular, que define o que os alunos devem aprender na educação básica, contempla habilidades socioemocionais ao longo da escolaridade, mas sem previsão de uma disciplina isolada.

Estudiosa do tema, a diretora do instituto Inspirare, Anna Penido, considera a ideia equivocada, ainda mais por tratar de uma situação extrema como o suicídio. “A educação socioemocional precisa acontecer principalmente na etapa do mais profundo desenvolvimento humano, que é a infância, adolescência e juventude”, diz ela. “É um processo contínuo, que não ocorre com uma disciplina de 80 horas.”

Para a professora Regina Pedroza, do Instituto de Psicologia da UnB, criar uma disciplina como estratégia para combater o suicídio é tratar o tema de forma reducionista.

“É de uma simplificação da questão do suicídio que não pode ser sério. O suicídio não é um fenômeno agora da modernidade, é um fenômeno histórico e complexo, e que envolve tantas questões que não pode ser resolvido em uma disciplina. Essas questões têm que aparecer no diálogo do dia a dia”, diz.

“O que é ser inteligente emocionalmente? Sinceramente, não sei. Pode-se até levantar uma hipótese de que é aquele que controla suas emoções. Mas como assim controlar emoções? Emoção é algo que não pode ser tão controlado, senão retira a capacidade de sensibilização.”

O Brasil registrou 11.433 mortes por suicídio em 2016, segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde. Não há informações sobre casos entre universitários.

No ano passado, a USP criou um escritório de saúde mental após registro de casos. Uma pesquisa, de 2009, com 140 estudantes da pós-graduação da UFRJ concluiu que 58,6% dos pesquisadores apresentavam níveis médio e alto de estresse.

 

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Eva
  • Fall mantra
  • Outsights
  • sneaker
  • Intempérils!
  • Oscars
  • Aida
  • back duo
  • trio xxi