EDUCAÇÃO

O impacto na educação da “Escola sem partido”

Há um fio tênue entre o conhecimento acadêmico e a doutrinação do professor

Publicado às 13h

Por Cristina Braga

Caso o Projeto de Lei (PL 7180/14) que está em tramitação na Câmara dos Deputados seja aprovado, o professor poderá se deparar com um cartaz, ao dar aula, indicando seis regras de conduta, tais como “não cooptar seus alunos para nenhuma corrente política, ideológica ou partidária”. A iniciativa “Escola sem partido”, cujo slogan é “Por uma lei contra o abuso da liberdade de ensinar”, tem pegado fogo: já são seis meses
de tentativas de análise da proposta – uma das mais polêmicas em tramitação no Congresso. Há quem apoie, discorde e até discuta o real sentido do conceito “sem partido”, questionando como uma lei pode regular o conteúdo didático.

Esse movimento político foi criado em 2004 no Brasil e divulgado pelo advogado Miguel Nagib, juntamente com pais e estudantes contrários ao que chamam de “doutrinação ideológica” nas escolas. Ganhou notoriedade
em 2015, em projetos inspirados na ideia.

João Doria, governador eleito, já se pronunciou dizendo que “Escola é lugar de aprender, e não de fazer política”, em consonância com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Já o professor e vereador Eliseu Gabriel (PSB) acredita que o PL seja uma “mentira”. “No mundo inteiro, os professores são valorizados; já temos um clima hostil em sala de aula. Com isso, querem formar dedo-duro de professor. Será a destruição
da educação no Brasil.” Em outra reflexão, o diretor-adjunto educacional do Instituto Federal (IFSP) – Campus Pirituba, Marcelo Lacerda, reconhece que há uma minoria incomodada, seja de esquerda em escolas tradicionais de direita, ou ao inverso. “O que não pode é ter escola de um partido só quando a minoria se sentir
constrangida ao se posicionar”, esclarece.

Ainda sobre o PL, está mantida a proibição sobre “ideologia de gênero”, “gênero” ou orientação sexual. Eliseu Gabriel diz que é preciso “fundamentalmente respeitar as diferenças”, e Lacerda enfatiza que o professor deve estar instrumentalizado para proteger e mediar situações que possam ocorrer. “Não podemos fingir que
essa realidade social não existe. As pessoas que defendem a ‘Escola sem partido’ precisam ser acolhidas para entender o que é educação e trazer os reais problemas que a envolvem.” Assista a entrevista completa abaixo:

 

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Eva
  • Fall mantra
  • Outsights
  • sneaker
  • Intempérils!
  • Oscars
  • Aida
  • back duo
  • trio xxi