REGIONAL

Contra ambulante, CPTM trata passageiro como corresponsável por comércio ilegal

Apreensões de mercadorias nas sete linhas da CPTM aumentaram 17% no ano passado

Publicado às 9h35

Folha de SP

“É R$ 1 duas balinhas de eucalipto! As legítimas medicinais que combatem aquele pigarro e tosse desagradável. Quem tem 50 centavos também leva!”

Com a propaganda na ponta da língua, os vendedores ambulantes quebram o silêncio do trem das 7h e sustentam a barulheira no rush das 17h. Mesmo com o transporte abarrotado de passageiros, vendedores tentam ganhar a vida dentro dos vagões da CPTM, que circulam na Grande SP. Já os usuários aproveitam as ofertas e as novidades, que são páreo duro com o comércio fora das estações.

Agora mais uma vez os ambulantes estão na mira da companhia, que em nova campanha também coloca o usuário como agente do comércio ilegal. Com aumento da frequência de avisos incisivos nos alto-falantes e o endurecimento da fiscalização por parte da segurança, a CPTM adota nova estratégia para conter a expansão do comércio dentro dos vagões.

Em decorrência da crise econômica, o número de ambulantes só cresce. Segundo dados da companhia, a quantidade de retenções, que equivale ao número de apreensões nas sete linhas, aumentou 16,5% em 2017.

Ainda segundo a CPTM, o comércio ilegal nos trilhos é uma das principais reclamações de passageiros. Somente neste ano o número triplicou em relação a 2014, chegando a 10.119 denúncias via SMS.

“Os usuários não gostam? Eu acho o contrário. Aqui todo mundo é pobre, e os preços são bons. Se você compra um chocolate lá fora por R$ 5, aqui você compra por R$ 3”, conta o ambulante Antônio (nome fictício), 46.

Com 19 anos de carreira como vendedor ilegal nos trens, ele diz que nunca teve problemas. “Eu respeito os seguranças, e eles me respeitam. Eu não saio do vagão, eles fazem o trabalho deles, e eu faço o meu.”

Mas nem todos pensam da mesma forma. Alguns ambulantes relatam abuso dos seguranças e uso de força desnecessária, que vai além da apreensão da mercadoria. Outros dizem ser surpreendidos por guardas à paisana.

Em uma noite de vendas, Gabriela, Carlos e Igor (todos com nomes fictícios) interromperam suas vendas e pediram ajuda dos passageiros. “Eu estava ali no outro vagão e veio um cara comprar. Quando fui perguntar qual ele queria, levantou a camiseta e me mostrou o distintivo, acabou levando toda nossa mercadoria.” “Tudo bem acabar com o comércio, é só não acabar com a gente, eles estão batendo nos nossos amigos”.

O coronel Iran Figueiredo Leão, gerente de segurança da CPTM, afirma que os funcionários ficam uniformizados conforme a necessidade. “São estratégias que a empresa tem e pode usar para fazer valer o que está na lei”, diz Leão.

A linha que tem mais problemas com o comércio ambulante ilegal, segundo o coronel da CPTM, é a 8-Diamante, que liga as estações Júlio Prestes e Itapevi. A nova campanha começou a ser veiculada em julho deste ano.

Uma das estratégias adotada pela companhia são novas mensagens como “Quem compra do ambulante é responsável pelo comércio ilegal, não compre” e “Se não comprar, ambulante vai acabar”. A CPTM não tem números de apreensões durante este período, mas acredita que está surtindo efeito.

“Incomoda é quando volto para casa, às 19h, quando a linha 8-diamante está lotada. Mal dá para sentar, fica um empurra-empurra para eles [ambulantes] passarem. É uma gritaria que ninguém merece escutar depois de um dia inteiro de estudo e trabalho”, diz Carlos Alberto, 24, estudante de engenharia da computação.

Foto: Joel Silva/Folhapress

Já para Neide Santos, 41, os ambulantes não são o maior problema das viagens. Todo dia, às 7h, a auxiliar de limpeza usa a linha 8-Diamante para ir ao trabalho. Quando precisa de algo, conta que compra dos comerciantes. “Assim como eu, eles estão tentando ganhar a vida de forma honesta, não estão nas ruas assaltando”, diz.

Em nota, a CPTM informou que repudia o uso da violência. Segundo a companhia, os seguranças recebem treinamento para garantir a qualidade aos usuários e proteger o patrimônio público, que frequentemente tem sido alvo de depredações por ambulantes. A Companhia enviou dois vídeos, do dia 12 de maio, onde ambulantes pegam pedras e atiram nos seguranças, na estação Piqueri, da linha 7-Rubi.

A CPTM reitera que as denúncias de eventuais excessos por parte de funcionários são investigadas e, se comprovadas, os responsáveis estão sujeitos a sanções, incluindo a demissão.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Jerusalem's chimera
  • Jorg
  • Ulli
  • Inglorious
  • Campidoglio
  • MAXXI
  • Fasanen butterfly
  • Xiomara dedicating her book "Warten auf den Regenbogen" (teNeues, 2024)
  • Xiomara Sweet