REGIONAL

Governo de SP inicia processo para encerrar contrato com responsáveis pela Linha 6-Laranja do Metrô

Concessionária Move São Paulo, que entregou 15% da linha em 3 anos, informou que ainda não foi notificada

Publicado às 10h20

G1 São Paulo

O Governo do Estado de São Paulo iniciou o processo de rescisão contratual com a concessionária Move São Paulo (formada pelas empresas Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC), responsável pela construção da Linha 6-Laranja do Metrô.

A linha ligará o Centro da capital à Brasilândia e à Freguesia do Ò, na Zona Norte, passando pela Zona Oeste, com estações próximas a diversas universidades.

Em 2015, a Move São Paulo ficou com a missão de construir e operar a Linha 6 ao custo de R$ 8 bilhões, mas em três anos entregou apenas 15% da obra pronta. As empresas que formam a concessionária não conseguiram mais empréstimos para o financiamento de obras depois que passaram a ser investigadas pela Operação Lava Jato. Em setembro de 2016, a construção da Linha 6 foi precisou ser suspensa.

Nesta sexta-feira, o governo do estado de São Paulo informou que o Conselho Gestor do Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas (CGPPP) autorizou o início do rescisão contratual da PPP da Linha 6 com a Move São Paulo.

Descumprimento de notificação

Segundo a Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos (STM), a medida ocorreu após o descumprimento da última notificação enviada à concessionária, que foi informada que deveria retomar as obras em 30 dias.

Por meio de nota, a Move São Paulo informou que “até o presente instante, a Concessionária não recebeu nenhuma notificação a respeito, mas, desde já, esclarece que o tema relativo à rescisão do contrato de concessão se encontra judicializado”.

Caso o rompimento do contrato seja concluído ainda neste semestre, o governo do Estado deverá assumir a gestão da infraestrutura implementada até o momento nos canteiros de obras até definir alternativas para o projeto e abrir um novo processo de licitação. A concessionária terá 15 dias para encaminhar manifestação e apresentar sua defesa à STM, que analisará o documento.

Idas e vindas

A novela da construção da Linha 6-Laranja começou em 2012, com o anúncio do projeto, e teve o início adiado mais de uma vez. Desde a suspensão das obras, em setembro de 2016, Houve duas tentativas da concessionária de vender a concessão. Uma para a empresa espanhola Cintra Ferrovial e outra para o grupo China Railway Engineering Corporation Ltd. (CREC), que se associaria à japonesa Mitsui e à brasileira RUASInvest. Ambas as negociações fracassaram.

Foram aportados pelo Governo do Estado até o momento R$ 694 milhões para pagamento de obras civis e R$ 979 milhões (out/16) para pagamento das desapropriações de 371 ações.

O investimento previsto para a linha era de R$ 7,8 bilhões – metade disso a partir dos cofres do estado, e a outra metade, da concessionária Move, que firmou a Parceria Público-Privada, tipo de contrato em que as empresas são pagas diretamente pelo governo e podem obter parte de seu retorno financeiro explorando o serviço.

Histórico

Em 2011, o projeto da Linha foi alvo de polêmica após alguns moradores de Higienópolis, bairro nobre da região central de São Paulo, se posicionarem contra a localização da Estação Angélica. Uma das moradoras chegou a dizer que a estação levaria “gente diferenciada” para o bairro.

Em 2012, o Governo do Estado de São Paulo anunciou o projeto, que previa o início das obras para 2013 e conclusão em 2019, com a ligação entre a Vila Brasilândia, na Zona Norte, e a Liberdade, no Centro.

Em 2013, a gestão Geraldo Alckmin (PSDB) informou que as obras estavam previstas para começar em 2014, com conclusão em 2020. A construção da linha teve início, finalmente, em abril de 2015. Em junho de 2016, o Governo informou que a linha ficaria pronta com mais um ano de atraso. Em setembro do mesmo ano, o consórcio Move São Paulo suspendeu as obras.

Em 2017, executivos da Odebrecht disseram em delação premiada que as obras da Linha 6 – Laranja serviram para abastecer o esquema de propina da construtora, para influenciar políticos e financiar o caixa dois de campanhas eleitorais.

No final de 2017, um grupo asiático propôs retomar as obras, demonstrou interesse em comprar o consórcio e assumir integralmente o contrato de concessão da linha 6. Animado, o governo falava em retomar a obra em janeiro de 2018.

No início deste ano, o grupo brasileiro RuasInvest manifestou interesse em dividir a concessão com o grupo asiático. A previsão era de que a obra fosse finalmente retomada em março ou abril.

Em fevereiro, o governo informou que fracassou a negociação de vendada concessão da Linha 6 e que notificou o consórcio formado pelas empresas Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC, a retomar as obras em 30 dias – o que não ocorreu.

Linha 6-Laranja

O trajeto terá 15 km de extensão e as seguintes estações:

– Brasilândia

– Vila Cardoso

– Itaberaba-Hospital Vila Penteado

– João Paulo I

– Freguesia do Ó

– Santa Marina

– Água Branca

– Pompéia

– Perdizes

– Cardoso de Almeida

– Angélica

– Pacaembu

– Higienópolis-Mackenzie

– 14 Bis

– Bela Vista

– São Joaquim

O governo projeta que 29 trens irão atuar ao longo do percurso e atender 600 mil pessoas diariamente. Ela fará conexão com outras linhas da CPTM e do Metrô e com a Linha 4-Amarela.

Folha Noroeste

Somos o maior prestador da região Noroeste, com mais de 100 mil exemplares impressos a Folha do Noroeste tem se destacado pelo seu comprometimento com a Noticia e tem ajudado a milhares de pessoas a divulgar os problemas do cotidiano de nosso bairro.

Adicione Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .

Video

Uniquely strategize progressive markets rather than frictionless manufactured products. Collaboratively engineer reliable.

Flickr

  • Inglorious
  • Campidoglio
  • MAXXI
  • Fasanen butterfly
  • Xiomara dedicating her book "Warten auf den Regenbogen" (teNeues, 2024)
  • Xiomara duo
  • Xiomara
  • History
  • Minotaure